2020 foi repleto de surpresas. Ao completar 25 anos no Brasil, o Mercado Livre de Energia estava em uma posição favorável, em pleno crescimento e já correspondia a 28% do consumo nacional. O número de migrações seguia aumentando, assim como a economia dos consumidores livres. Até chegar a pandemia do Covid-19. 

O cenário flutuante trouxe incertezas para o setor. Segundo o Operador Nacional do Sistema Elétrico (ONS), enquanto o consumo de energia caiu para algumas empresas, o residencial subiu. Uma das únicas certezas era a necessidade que todos os consumidores viram em enxugar ainda mais as contas. 

Entenda como o mercado enfrentou o ano nesta retrospectiva.

Expansão de energia solar

O Mercado Livre de Energia mostrou um papel fundamental na expansão da energia gerada a partir de fontes renováveis no último ano. Entre os destaques, está a relação com projetos fotovoltaicos.

Leilões de energia

Muitos leilões de energia foram adiados até uma melhora do mercado. Mesmo assim, a Copel seguiu presente neste mercado, buscando ampliar o portfólio de produtos oferecidos aos clientes.

Em 2020, a Copel Mercado Livre realizou o Leilão de Compra de Energia Incentivada Solar e Eólica. Na segunda etapa do leilão, foram contratados 162 MW médios pelo prazo de 13 anos. Para isso, foram habilitados 1970 megawatts (MW) de potência nas fontes eólica e solar, reforçando o apoio ao uso de fontes renováveis.

A Copel ainda venceu o leilão da Cooperaliança, que terá um fornecimento de energia elétrica com duração de 17 anos.

Conta-covid

A pandemia do coronavírus aumentou os casos de inadimplência e atrasou o cronograma de construção de usinas e linhas de transmissão. Para regulamentar o setor energético neste período e amenizar os impactos da crise, a Agência Nacional de Energia Elétrica (ANEEL) criou a Conta-covid. 

Ela visa aliviar o caixa das distribuidoras através de empréstimos contratados pela Câmara de Comercialização de Energia Elétrica (CCEE) e assegurar a liquidez do mercado. Já para os consumidores, a medida evita reajustes na tarifa de energia, diluindo estas alterações em 60 meses.

Mudanças no mercado

A readaptação de diversas empresas foi uma grande pauta em 2020 e o setor de energia elétrica também passou por isso.

Neste ano, a Copel apresentou alguns avanços no setor, como realizar a migração na primeira estatal do Paraná para o mercado livre de energia. A Tecpar optou pelo ambiente livre – e pela Copel – e observou o benefício logo no primeiro mês de mercado livre, quando economizou R$27 mil reais com energia.

 Em agosto, o Ministério de Minas e Energia autorizou a Copel Mercado Livre a exportar energia elétrica para a Argentina e o Uruguai. O intercâmbio de insumo entre os países é extremamente benéfico, já que os recursos energéticos de cada país se complementam.

Em 2020, a empresa ainda aumentou o alcance junto ao consumidor final, que hoje representa 50% da receita da Copel. A intenção é que este número atinja o patamar entre 70% e 80% das vendas. Incluir cada vez mais o consumidor final no Mercado Livre de Energia mostra que o setor segue uma crescente.

Ainda em crescimento

Mesmo com as mudanças no consumo, o ambiente de contratação livre seguiu em destaque em 2020. Como exemplo, o mês de outubro apresentou uma alta de 7% no setor em comparação com o mesmo período do ano anterior. Já segundo a CCEE, o número de consumidores livres aumentou 23% em relação a 2019.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Tamanho dos textos