• Página Inicial
  • Blog

Cronograma de abertura do mercado, mudanças de regras e o que esperar para o futuro

Apresentação do Programa Simplifique o Mercado Livre de Energia.

“Simplifique o Mercado Livre de Energia” é um programa que vai abordar de um jeito fácil e didático tudo o que você precisa sobre a comercialização de energia no ambiente de contratação livre.  

A cada episódio, a jornalista Ligia Martoni vai entrevistar um especialista da Copel Mercado Livre ou parceiro das subsidiárias da Copel para esclarecer os assuntos mais importante do setor, tirar as principais dúvidas e ajudar a mostrar se a compra no mercado livre pode ser vantajosa para você e para sua empresa. 

No primeiro episódio, o analista comercial Richard Romanosque fala sobre o cronograma de abertura do mercado, comenta as mudanças de regras que ocorreram no início de 2021 e explica quem pode se tornar cliente nesta modalidade.

Quais foram as alterações que aconteceram para o Mercado Livre agora em 2021 e o que  elas mudam, tanto para quem já é cliente como para quem pretende se tornar um cliente?

As portarias 514, de 2018, e 465, de 2019, estão repercutindo a mudança de uma legislação que limita o mercado desde 1995. Antigamente, existia uma demanda limite para escolha de fonte de energia no mercado livre de 3.000 kW. A partir de 2019, quando começaram a ser sentidos os efeitos dessas portarias, passou a existir uma redução anual  gradativa em 500 kW. Em 2021, por exemplo, atingiu-se a demanda limite para escolha entre energia convencional e especial de 1500 kW, o que trouxe mais oportunidade para os consumidores que estão no processo de migração, ou que já estão no mercado livre, para escolher o tipo de fonte da qual desejam comprar energia.

Qual a diferença entre essas fontes, que é a fonte especial e a fonte convencional, e como essa mudança pode então, a partir disso, ser benéfica para o cliente?

A diferença é o tipo de empreendimento. No caso da fonte especial o impacto ambiental é baixo, como no caso de usinas fotovoltaicas e geradores eólicos. Já as fontes convencionais abrangem todas as demais, como usinas termelétricas e as grandes hidrelétricas. Essas fontes convencionais estão disponíveis em maior quantidade no mercado, enquanto as especiais são mais escassas e, eventualmente, acabam tendo um valor agregado um pouco maior.

Para o cliente que está em dúvida de qual tipo de fonte escolher, e se compensa para quem já comprou energia especial, vender essa fonte para substituí-la pela convencional, entre em contato com a Copel Mercado Livre para realizar uma simulação, e a partir dela fazer a melhor escolha.

E com essas alterações recentes, o que se pode esperar para o futuro?

Fala-se em um futuro onde o mercado livre realmente ganhe o real sentido da palavra, onde o cliente possa ser livre. Essas portarias mencionadas, do Ministério de Minas e Energias, colocam que até 2023 a demanda mínima do cliente irá baixar para 500 kW. Já existem, no entanto, projetos de lei no Senado, como o PLS 232, por exemplo, em que o mercado se abre para todos os consumidores, inclusive os residenciais, para que eles possam escolher que tipo de fonte desejam e de qual comercializador – no caso de energia – gostariam de adquiri-la, de uma forma que traga mais benefício financeiro para a conta de energia.

Se ficou interessado em migrar para o mercado livre de energia entre em contato com a Copel Mercado Livre e faça uma simulação. 

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Tamanho dos textos