O setor elétrico teve uma conquista histórica no final de 2020 com a solução para a questão do GSF (Generation Scaling Factor – risco hidrológico). 

Na ocasião, a ANEEL aprovou resolução normativa regulamentando novas condições para a repactuação do risco hidrológico de geração de energia elétrica. Esta decisão cumpriu o disposto no artigo 2º da Lei nº 14.052/2020, o qual determina que a Agência regulamente os procedimentos para a repactuação.

A solução para os débitos acumulados pelos geradores por conta do GSF é fundamental para o setor. Os débitos referentes à diferença entre a energia efetivamente gerada e a garantia da usina chegaram a acumular R$8 bilhões. A negociação de uma prorrogação da concessão para parcelamento da dívida possibilitou o início da quitação.

A Copel aguarda um impacto positivo de 1,3 bilhão de reais sobre sua geração de caixa ao registrar em balanço os resultados do acordo com o governo e reguladores sobre o “risco hidrológico” na operação de suas usinas.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Tamanho dos textos