Não há dúvidas que a energia elétrica ganha cada vez mais espaço nas rotinas. Com o avanço no uso de fontes renováveis, usar a eletricidade é uma solução para adotar estilos de vida mais sustentáveis.

O crescimento no setor de mobilidade elétrica é um exemplo desta situação. Os veículos que usam motores elétricos como substitutos totais ou parciais dos motores convencionais trazem inúmeros benefícios, tanto para o consumidor quanto para o meio ambiente.

Quando se fala em meio ambiente, os carros elétricos emitem menos poluentes atmosféricos, além de produzirem menores níveis de poluição sonora. Já quando falamos em consumidor, podemos pensar em um público muito mais amplo do que aquele que usa o carro elétrico em seu dia a dia.

Por mais que o tema mobilidade elétrica seja muito associado ao carro, o setor já engloba veículos elétricos para os mais diversos fins: mais do que transporte de pessoas, ele também corresponde ao transporte de cargas e mineração.

Sustentabilidade

É preciso reconhecer que a sustentabilidade é a pauta mais comentada quando se fala em mobilidade elétrica. Afinal, os motores elétricos emitem uma menor quantidade de Gases de Efeito Estufa (GEE).

Por outro lado, diminuir consideravelmente a emissão destes poluentes deve gerar um investimento muito alto. Ainda, é preciso debater questões como o devido descarte da bateria e o aumento no consumo de energia elétrica. Por mais que o Brasil tenha uma matriz elétrica bastante diversificada, parte da energia ainda é gerada a partir da queima de combustíveis fósseis, o que faria com que a poluição seguisse presente tanto na produção de eletricidade para manter o carro em funcionamento, quanto para produzir outras peças do veículo.

Foco no consumidor

Após pensar no impacto ambiental, é preciso entender os benefícios para o público final. Entre eles, está a economia e praticidade que a mobilidade elétrica promete, como é visto mundialmente em carros, patinetes, bicicletas e skates elétricos.

A economia se mostra presente ao comparar o valor do combustível usado em opções elétricas e em versões convencionais. Como se não bastasse, o custo para estacionamento de veículos elétricos também costuma ser inferior.

Já a praticidade é vista quando colocada ao lado da obstruções de vias por causa do excesso de veículos. Além disso, muitas opções elétricas ocupam menor espaço facilitando o estacionamento do veículo.

Situação no Brasil

Por mais que o setor esteja em avanço, ainda não há uma perspectiva real para o Brasil ter a tecnologia como prioridade. Por mais que a demanda pela mobilidade elétrica tenha crescido e a regulamentação esteja sendo discutida, não é provável que a maioria dos carros brasileiros sejam elétricos em um futuro próximo – mas não é de se negar o rápido crescimento no setor no país.

A Copel também atua no setor de mobilidade elétrica. Em 2019, a empresa finalizou a instalação de postos de recargas, além de usar veículos elétricos em atividades cotidianas.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Tamanho dos textos